Sábado, 22 de Dezembro de 2007
Cambedo - Dia 11 - Sequelas e Mazelas
SEQUELAS E MAZELAS DEIXADAS AO POVO DO CAMBEDO
 
Claro que a partir de dia 21 de Dezembro de 1946 o Cambedo não poderia continuar igual. Um campo de batalha deixa sempre as sua mazelas e no Cambedo deixou-as, quer fisicamente com a destruição de algumas casas e bens, que ainda hoje estão em ruínas, quer nas pessoas, principalmente nestas, deixou nelas depositadas mazelas, muita injustiça e até perseguição continuada ao longo dos anos.
 
 
No rescaldo do dia 20 e 21 da Batalha do Cambedo, foram presos mais de sessenta pessoas, sendo 63 indiciados no processo da PIDE nº 917/46, segundo a PIDE, por cumplicidade com o bando de malfeitores, por acolhe-los em suas residências e, ainda acusados de apoio à rebelião armada. Destes sessenta e tal, mais de trinta, nos primeiros dias e meses foram postos em liberdade condicional ou definitiva e os restantes julgados no Tribunal Militar Territorial do Porto durante o mês de Dezembro de 1947. O julgamento contou com quatro audiências e a sentença foi lida no dia 12 de Dezembro de 1947.
 
Não bastou o terror lançado sobre o Cambedo durante os dias 20 e 21 de Dezembro de 1946, como ainda muita da sua gente foi presa e torturada pela PIDE. Mesmo que grande parte tivesse vindo a ser posta em liberdade, passaram pela humilhação das prisões, como de criminosos se tratasse.
.
.
 
Se para o Demétrio era fácil adivinhar-se uma pesada condenação, não só pelas acusações de pertencer a um bando de malfeitores, mas também pela resistência às autoridades e a morte de dois Guardas Republicanos, adivinhava-se também condenação para aqueles que lhes deram abrigo.
 
Se houve condenações que justas ou injustas eram esperadas, já o mesmo não se poderá dizer do caso de Silvino Espírito Santo, de 51 anos, 2º cabo da Guarda-Fiscal reformado, natural de Pitões e residente no Cambedo em frente à casa onde estava abrigado Demétrio e Garcia. Talvez o únicos “crimes” de Silvino E.Santo fosse estar casado com Clementina Fernandes que era  prima do Mestre - Manuel Bárcia, ou Ser Guarda Fiscal Reformado, ou ser vizinho do Mestre, ou então conhecer o Juan e o Demétrio de há longos anos, como aliás toda a população do Cambedo conhecia. À sua prisão e posteriores acontecimentos não é estranha a mão do Capitão Luís Borges, o tal que foi presidente da Câmara, administrador do concelho de Chaves, inspector delegado da Polícia Internacional (PIDE), instrutor da Legião Portuguesa e director do tal jornal Era Nova.
 
A respeito dos Guardas fiscais envolvidos no processo, Paula Godinho refere na Revista História:
 
“Vários aldeões são acusados de acolherem o «bando de malfeitores», ou de com eles serem coniventes. Entre estes, salientam-se os agentes da Guarda Fiscal, integrando quatro deles este processo. A lógica subjacente à sua actuação , que respondeu às obrigações inerentes a alianças dentro da comunidade e com povoações dos arredores, conduzia-os a uma cumplicidade passiva, por não denunciarem a presença de refugiados. Teria de ser punida exemplarmente. Assim é com elementos do posto de Cambedo da Raia, como Silvino Espírito Santo, cabo da Guarda Fiscal nascido em Outubro de 1892, na povoação raiana barrosã de Pitões das Júnias, onde se familiarizara desde cedo com a convivência dos povos de um e outro lado da linha de demarcação. Partira para Lisboa depois da morte precoce do pai, alistara-se na GF, e como elemento desta força fora colocado em Cambedo da Raia, onde casou. Seria talvez o único habitante da aldeia a ler «O Primeiro de Janeiro» e também a «Gazeta do Sul», que assinava. Tornou-se alvo do despeito do capitão Luís Borges, principalmente pela indiferença adoptada relativamente à circulação de guerrilheiros galegos. Preso quando já se reformara como 2º Cabo, «por suspeita de fazer parte de uma associação de malfeitores» (tal como a restante gente do Cambedo presa), ficaria detido por 11 meses. Foi despromovido no Tribunal Militar e após 36 anos de serviço sem falhas de comportamento foi-lhe suspensa a pensão. Aquando da sua detenção, foi acompanhado pela esposa, Clementina Tiago, pela irmã desta, Albertina Tiago, pelo cunhado Júlio Lopes (também da Guarda Fiscal) e pelo filho mais velho, Domingos Espírito Santo, que se encontrava na tropa, e esteve um ano sem julgamento em presídio militar.”
 
Só da família de Silvino Espírito Santo foram 5 pessoas presas. Sem dúvida alguma que foi uma das famílias mais injustiçadas no caso do Cambedo da Raia, prendendo os seus e deixando Silvino Espírito Santo, mulher e 5 filhos sem a pensão de reforma que se adivinha, era o sustento da casa.
 
.
.
 
Vejamos quem foram alguns desses detidos e quais as penas que apanharam:
 
1 – Demétrio, condenado a 28 anos de degredo (já atrás no capítulo a ele dedicado deixei um pouco da sua vida);
 
.
.
.
.
2 – Os espanhóis componentes do bando e julgados à revelia, 4 anos de degredo;
 
3 - Silvino João Domingues, 4 anos de degredo;
 
4 – José Pereira, 2 anos e meio de degredo;
 
5 – Manuela Garcia Álvares, irmã de Demétrio e mulher do Manuel Bárcia, natural de Chãs, Verin, mas a residir no Cambedo desde que se casara. Absolvida. Saliente-se que os que foram absolvidos já tinham passado pelo menos 13 meses na prisão.
.
.
 
6 – José do Nascimento Barroso, 20 anos, solteiro, filho da viúva Engrácia. 2 anos de degredo, substituídos por 18 meses de prisão correccional;
 
7 – Guilherme Pereira, 2 anos de degredo, substituídos por 18 meses de prisão correccional;
 
8 – António Lavouras, 2 anos de degredo, substituídos por 18 meses de prisão correccional. Esta família, que não era do Cambedo, mas sim de Mosteiró de Cima (Valpaços) e residente em Nantes, também viu os seus todos presos, como a mulher, Saudade Lavouras e a filha, além de alguns vizinhos.
 
9 – Engrácia Gonçalves, 2 anos de degredo, substituídos por 18 meses de prisão correccional;
 
10 – Isilda dos Anjos, 2 anos de degredo, substituídos por 18 meses de prisão correccional;
 
11 – Adelaide Teixeira, 2 anos de degredo, substituídos por 18 meses de prisão correccional;
 
 
12 – Assunção Ribeiro Carvalhal, 31 anos, Natural de Chãs, Verin, casado no Cambedo, absolvido;
 
13 – Albertina Tiago, 46 anos, solteira, natural e residente no Cambedo, absolvida;
 
14 – Escolástica Fernandes, de 55 anos, solteira, do Cambedo, absolvida;
 
15 – Adolfo Gonçalves, 45 anos, casado, do Cambedo, absolvido;
 
16 – Silvino Espírito Santo, 51 anos, 2º cabo da Guarda-Fiscal, natural de Pitões e residente no Cambedo, já foi atrás referido que além da prisão preventiva, foi despromovido e retiraram-lhe a pensão de reforma.
 
17 – João Manuel Afonso Pereira, 31 anos, Guarda-Fiscal, oriundo de Vilar de Veiga e casado em Soutelinho embora residente no Cambedo onde prestava serviço, embora absolvido no Tribunal Militar do Porto. Foi condenado a 40 dias de prisão pelo Comando da Guarda Fiscal e transferido de posto.
 
18 – Primitivo Garcia Justo, cinquenta e nove anos, casado, lavrador, natural e residente em Chãs, pai de Demétrio. Embora haja documentação que afirma que teria acompanhado o seu filho Demétrio ao longo de alguns anos de prisão, não consegui apurar qual foi a sua condenação.
 
19 – Celsa Garcia Alvarez, 18 anos, solteira, irmã de Manuela e cunhada do Mestre (Barcea). Irmã de Demétrio. Absolvida
 
20 – Casimiro Gonçalves, filho de Engrácia, 16 anos, solteiro. Absolvido;
 
21 – Manuel Bárcia, o Mestre, 34 anos, natural e residente no Cambedo (casa que abrigava Demétrio e Garcia na noite dos acontecimentos). Esteve mais de três anos e na cadeia. Condenado a 2 anos de degredo, substituídos por 18 meses de prisão correccional;
.
.
 
22 – Joaquim Gomes, também conhecido por Ginja, Joaquim da Serra e Russo, 46 anos, taberneiro, residente no lugar do Funda da Serra em Sanjurge. Absolvido, mas também esteve preso durante mais de um ano a aguardar julgamento. Não foi provado qualquer envolvimento com os guerrilheiros, apenas que serviu por duas vezes um grupo de guerrilheiros a pedido de Manuel Bárcia (seu conhecido), os quais pagaram as refeições e nunca mais os viu.
 
.
.
 
23 – Maria Alice Pires, 47 anos, mulher de Manuel Valença, do Cambedo. Acusada de ter escondido uma pistola do José Barroso.
 
24 – Joaquim Amaro, 32 anos, Vilarinho das Paranheiras. Acusado de esconder Bárcia.
 
25 – Aurora Barros, de 60 anos, de Nantes. Presa por, na madrugada do dia 20 de Dezembro, ter avisado o casal Lavouras da presença da Guarda-Republicana.
 
26 – Alda Gonçalves Lavouras, filha de António Lavouras e Saudade Lavouras, solteira de dezanove anos. Embora absolvidas, a mãe passou 13 meses na cadeia e a filha perto de 3 meses.
 
27 – Foram ainda absolvidos, depois de 13 meses de cadeia na PIDE do Porto : Celestino Miranda; João Exposto; Saudade Lavouras; David dos Santos Pires; Adelino José; João do Nascimento; José Rente; Vitorino António de Oliveira, o Nacho; Salvador dos Anjos, José Augusto Gonçalves; Armindo Augusto, Florinda Barbosa Pinheiro
 
 
28 – Os espanhóis Eládio Peres Prada, António Perez e Primo Perez Colmero, que acidentalmente estavam no Cambedo com mais dois primos menores de doze anos, Manuel Pardo Perez e Irene Perez Salgado e que naquele dia tinham vindo de compras a Portugal. Que embora detidos com os restantes e conduzidos para o Porto, foram soltos no dia seguinte e conduzidos à fronteira como simples indocumentados. O mesmo aconteceu com os portugueses José dos Santos Lobo, Joaquim Teixeira, Ventura Ferreira Moutinho, Agostinho Gonçalves, António dos Santos Chaves, João SecundinoPires, José Vieira e Boaventura Gonçalves que a PIDE propõe que sejam postos em liberdade em virtude da sua detenção ser apenas uma medida preventiva.
 
29 – Há ainda a considerar o caso do Guarda-Fiscal Octávio Augusto, a prestar serviço no posto do Cambedo na altura dos acontecimento e que após os mesmos foi transferido para o Geres onde se viria a suicidar. Octávio Augusto estava casado com Adelaide, irmã do já mencionado Mestre (Bárcia).
 
 
Quanto à origem das pessoas detidas após o cerco do Cambedo temos por ordem decrescente:
 
- Cambedo – 18 pessoas
- Concelho de Vinhais – 12 pessoas
- Cimo de Vila da Castanheira – 7 pessoas
- Torre de Ervededo – 6 pessoas
- Concelho de Montalegre – 6 pessoas
- Nantes – 3 pessoas
- Concelho de Boticas – 2 pessoas
- Concelho de Valpaços – 2 pessoas
- Vilarelho – 1 pessoa
- Vilela Seca – 1 pessoa
- Vila Meã – 1 pessoa
- Couto de Ervededo – 1 pessoa
- Bustelo – 1 pessoa
- Chaves – 1 pessoa
- Famalicão – 1 pessoa
- Maia – 1 pessoa
 
.
.
 
Claro que a maioria desta gente, mesmo que não condenada em tribunal, passou pelo menos 1 ano na cadeia a aguardar julgamento e sabe-se lá o que mais não teria passado, conhecida que era a hospitalidade da PIDE que liderou todo este processo.
 
Em conversa com Florinda Pinheiro (a Espanhola ou Galega como é conhecida) que abrigou guerrilheiros em sua casa em Mosteiro da Castanheira, perguntava-lhe há dias se, enquanto esteve presa no Porto (13 meses) alguma vez foi torturada ou mal tratada e, a resposta foi clara: “- A mi, nom, mas ós do Cambedo e Demétrio, sí. Essos sofreram muito, coitadinhos!». Para Florinda Pinheiro, o só ter estado presa durante 13 meses, não foi ser maltratada. Claro que a privação da liberdade já em si é ser maltratada, mas é desculpada por Florinda Pinheiro, pois poderia ter sido bem pior, e hoje, já pouco recorda dos acontecimentos, mas recorda constantemente que esteve 13 meses presa na PIDE do Porto e os maus tratos às gentes do Cambedo e tem saudades de uma amiga que fez na prisão e à qual nunca mais viu, a Saudade Lavouras e das quais deixo aqui uma foto actual de ambas, e já que não se encontram fisicamente, deixo-as aqui juntas em imagem.
 
.
.
 
Mas, também concordo, que a cadeia até talvez tivesse sido o menos, o pior penso mesmo que foi após todos os acontecimentos, a cadeia e o julgamento. Pior foram as marcas que todos os acontecimentos do Cambedo deixaram a todos os que tiveram de passar pela PIDE e pelas prisões. Marcas e feridas que ficam para sempre e que nem o tempo, muito tempo, ajudam a esquecer e que as gentes do Cambedo preferem remeter para o silêncio ao avivar de velhas feridas por sarar, porque sabem que a verdade, a verdadeira, nunca foi nem será contada e que ainda há hoje quem a deturpe. Verdades que passam pelo castigo de um povo inocente e pela certa, por algum colaboracionismo com sabor a traição (de que eles nunca falam) e estórias que nunca serão reveladas nem convém revelar, mas antes ficar no silêncio das famílias para morrerem com o passar dos anos, pelo menos enquanto ainda houver sobreviventes aos acontecimentos do Cambedo, porque depois, já não haverá ninguém para o contar.
 
Bento da Cruz “lamentava-se” no seu livro, pelo recebimento que teve em Nantes em 2001 quando foi visitar Saudade Lavouras. Diz ele que Saudade Lavouras o recebeu com uma lucidez de espírito e memória de fazer inveja mas, que quando lhe pediu para falar dos espanhóis lhe respondeu: «não me lembro, nem quero saber».
 
Paula Godinho, por sua vez, no seu trabalho sobre o Cambedo, publicado em Dezembro de 1996 no livro «O Cambedo da Raia – 1946» Afirma e transcreve num capítulo que intitula “Memórias, silêncios, amnésias” o sentimento das gentes que passaram pelos acontecimentos do Cambedo, e que acho importante deixar aqui:
 
Memórias, silêncios e amnésias
 
Num retomo a Cambedo da Raia, Vilarelho e Rabal, no Verão de 2001, surpreendi um discurso defensivo por parte de antigos entrevistados. As aldeias haviam mudado, o envelhecimento era maior, menos jovens aí permaneciam. Desde 1996 havia surgido um novo elemento de perturbação na relação da aldeia com o passado. Por quotização pública, um grupo de intelectuais de Ourense erigira uma placa em Cambedo da Raia "Ao pobo do Cambedo, en memoria do voso sofrimento, 23.12.1946-23.13.1996".
Além dos textos que publicara, e daqueles em que vários jornalistas e escritores haviam abordado os acontecimentos de 1946, um realizador português fizera aí um filme, um documentarista galego - também, a televisão galega viera filmar e entrevistar. Numa série sobre o século XX em Portugal a televisão estatal portuguesa dera igualmente relevo aos bombardeamentos e à repressão de 1946.
 
Atendendo ao material que acumulara e nomeadamente aquele que denota o relevo que a polícia política portuguesa deu aos factos, o retrato do grupo em análise inseria-o numa luta política. A estranheza detectada vinha de que os antigos entrevistados pareciam intimidados. Muitos já haviam morrido, uma senhora estava senil no lar de
Vilarelho, em conversas grupais, alguns dos entrevistados enunciavam um discurso em que esperavam não o meu aval - numa retroacção do discurso erudito - mas o meu apoio:
 
Continuando com Paula Godinho, há um relato que lhe foi feito, que para mim resume o “ser do guerrilheiro” nas nossas terras da raia:
 
"Eles eram tão maus como dizem por aí, e tão desordeiros, e tão atracadores, que estavam numa caseta que é minha, e eu tinha 18 anos, era nova, e hoje não, mas na altura diziam que eu que era bonita. Eu ia para lá trabalhar, ia para o gado, íamos regar, e eles vinham por donde a mim. Nunca me deram uma palavra que me ofendessem. Nunca me fizeram mal nenhum. Porque é que hei-de falar mal deles? Eles eram filhos de pessoas como nós, eram filhos de gente que eu conhecia, como é que eles me haviam de fazer mal? Não podiam.(...) Se eles fossem marotos, eu andava ali sozinha, em Calmar, que é um lugar, se fosse agora, com essa mocidade que por ai há, o que não me fariam? E eles nunca me ofenderam. Nunca na vida, nunca! O que eles me diziam às vezes era «Tu vens para cá amanhã? Trazes-nos tabaco?». E eu levava-lhes, e pagavam-me.(...) "O Juan, por exemplo, o Juan, nós íamos de noite e às vezes apareciam-me lá na Carrasca, quando se vai para o Morico, lá na fronteira, e dizíamos assim. «Vamos às batatas, ou vamos...» Íamos á nossa vida, e ele acompanhava-nos, chegávamos lá às Casas dos Montes, e, ficava fora do povo, ali, que ele era de lá. Eu não tenho a mínima queixa para o Juan. Conhecia-lhe a mãe, conhecia-lhe o pai, conhecia-lhe o irmão, ainda agora estive lá com a Lucinda. Não são boas pessoas? O que é que tinha a Ramona, que era irmã dele, que é que tinha? Eles foram aquela coisa." (Gloria Valença, Cambedo, 2001 ).
 
E estamos quase chegados ao fim dos acontecimentos de 1946 e condenações de 1947, curiosamente ambos em Dezembro e pouco tempo antes do Natal.
 
Amanhã, o último dia dedicado ao Cambedo passará por aqui o que foi dito em alguma imprensa da época.
 
Até amanhã!.


publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
26
27

28
29


posts recentes

Filme "O Silêncio" do Cam...

Os Salteadores

X Jornadas "El Maquis en ...

post

Ainda a publicação na Púb...

arquivos

Fevereiro 2016

Dezembro 2011

Outubro 2009

Dezembro 2008

Julho 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

tags

cambedo

cambedo da raia

carlos pessoa

chaves

enric vives-rubio

maquis

portugal

pública

público

santa cruz de moya

x jornadas el maquis

todas as tags

favoritos

Abobeleira em três imagen...

Solar da família Montalvã...

links
Creative Commons
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
participar

participe neste blog

blog-logo
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds